……:::::::: I CONFERENCIA GLBT ::::::::……

abril 15, 2008

União homoafetiva requer categoria própria

Filed under: Dnsk,Texto — conferenciaglbtba @ 3:15 am
Tags: ,
Jornal do Brasil
Quarta-feira, 09 de abril de 2008

É perfeitamente plausível proteger e reconhecer a união de pessoas do mesmo sexo

Suzana Borges Viegas de Lima PROFESSORA SUBSTITUTA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UNB)

Está sendo veiculada na imprensa a notícia do “primeiro casamento gay do Brasil”, dia 10 de abril, em São Paulo. A ampla divulgação do evento tem despertado o interesse da comunidade jurídica, uma vez que coincide com a retomada do julgamento de um recurso especial em trâmite no Superior Tribunal de Justiça, no qual um casal homossexual busca o reconhecimento de união estável. Cabe lembrar que o casamento entre pessoas do mesmo sexo ainda não está previsto em nosso ordenamento jurídico. O “casamento” em São Paulo é na verdade a celebração pública de uma convivência de fato, cujos aspectos patrimoniais serão regidos por cláusulas contratuais. Assim, sob o aspecto jurídico, não se trata de um casamento, eis que a nossa legislação somente reconhece a validade do casamento como ato solene, entre pessoas de sexos diferentes. Devemos ressaltar, ainda, que não se trata da primeira união dessa natureza, já que o relacionamento afetivo entre pessoas do mesmo sexo não é novidade em nosso meio social. Está presente em nossa realidade há tempos, o que não se pode ignorar. Cada dia que passa, pessoas na mesma situação buscam meios de proteção de seus direitos e, assim, celebram uniões semelhantes, atualmente regidas em sua maioria pelo Direito das Obrigações. Contudo, a iniciativa do enlace merece respeito e destaque. Embora o nosso ordenamento jurídico não contenha previsão expressa, seja para o casamento ou união estável de pessoas do mesmo sexo, isso não significa que hipóteses como essa devam permanecer à margem de amparo legal. A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça vem regulando os aspectos patrimoniais que decorrem das relações constituídas por pessoas do mesmo sexo, ainda que somente sob a ótica da sociedade de fato. É uma abordagem tímida, considerando, em nosso sentir, que estamos diante de uma entidade familiar de fato. A proteção e o reconhecimento da união entre pessoas do mesmo sexo como entidade passível de proteção do Estado – como ocorre com os agrupamentos expressamente previstos na Constituição Federal (família constituída pelo casamento, união estável e família monoparental) é perfeitamente plausível, sob o fundamento de que o rol de entidades familiares relacionadas na Constituição é aberto, ou seja, exemplificativo. Sendo o Direito de Família marcado, sobretudo, pela dinamicidade das relações afetivas, entendemos, na esteira do professor Paulo Luiz Netto Lôbo, que a Constituição Federal leva ao reconhecimento de outras entidades familiares, além das anteriormente citadas, dado o caráter aberto e de inclusão, e não de exclusão, de suas disposições. Assim, o princípio do pluralismo das entidades familiares permite o reconhecimento da união homoafetiva, merecendo as relações que dela decorrem tutela adequada do Estado, sob a natureza que lhe é peculiar, ou seja, dentro do âmbito do Direito de Família. Por sua vez, o julgamento em pauta no Superior Tribunal de Justiça, demonstra um avanço significativo no reconhecimento das uniões entre pessoas do mesmo sexo, considerando que o tema está sendo tratado, de forma inédita, sob a perspectiva do Direito de Família. Aliados ao avanço doutrinário e jurisprudencial que prestigia a sua validade, os movimentos legislativos em prol das uniões homoafetivas contribuem substancialmente para o reconhecimento de direitos e obrigações decorrentes de relacionamentos afetivos entre pessoas do mesmo sexo. Exemplo salutar desse tipo de iniciativa é a do Projeto de Lei nº 2.285/2007, do Deputado Sérgio Barradas Carneiro. Com base nos estudos promovidos pelo IBFDAM – Instituto Brasileiro de Direito de Família, consolidou-se no referido projeto o “Estatuto das Famílias”, que visa, entre outros avanços de considerável importância, a introdução em nosso ordenamento da união homoafetiva como entidade familiar. Nessa perspectiva, esperamos que o Direito nos conduza em breve ao reconhecimento de uma categoria própria, aplicável às relações homoafetivas – não necessariamente sob a nomenclatura de casamento, nem de união estável, já que tais institutos disciplinam situações peculiares já existentes. O que se espera é a criação de um instituto legítimo para a real proteção dos direitos e interesses que decorrem da união afetiva, e não menos prestigiada, entre duas pessoas do mesmo sexo.

Anúncios

abril 9, 2008

Últimos dias da mostra Possíveis Sexualidades

Filed under: Dnsk,Texto — conferenciaglbtba @ 2:39 pm
Tags:

8/04 (TER)
16h Sim, eu sou uma delas (curta-metragem) + Bombadeira
18h30 Sévigné
20h30 XXY

9/04 (QUA)

16h Los Placeres Ocultos
18h30 Krámpack
20h30 Sévigné

10/04 (QUI)
16h Ocaña, retrat intermitent
18h30 Bombadeira
20h30 Uma Questão de Gênero

11/04 (SEX) – Exibição exclusiva na Sala Walter da Silveira
15h Diferente
17h30 Sim, eu sou uma delas (curta-metragem) + Uma Questão de Gênero

Sessões de 16h – Instituto Cervantes
Sessões de 18h30 – Sala de Arte da UFBA
Sessões de 20h30 – Sala de Arte do Museu

OBS: No dia 11/04 (sex), as duas sessões da Mostra Possíveis Sexualidades serão realizadas em horários diferenciados e exclusivamente Sala Walter da Silveira.

Prefeitura vai criar Coordenadoria GLBT na Saúde

Filed under: Dnsk,Texto — conferenciaglbtba @ 4:43 am
Tags: ,
Retirado do site da SEMUVV Secretaria de Valorização da Vida e Prevenção da Violência.
17 de março de 2008
Foto: Eliane Melo/divulgação

conferência GLBTA Secretaria Municipal de Saúde de Nova Iguaçu vai criar uma coordenadoria de assuntos relativos ao público GLBT (gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais) a fim de traçar estratégias de atendimento adequado a essa parcela da população nos serviços de saúde da cidade. Essa foi uma das propostas aprovadas pela 1ª Conferência Regional de Políticas Públicas para GLBTs da Baixada Fluminense, realizada no sábado, 15 de março, em Nova Iguaçu.

O encontro, que aconteceu das 8h às 19h, no Espaço Cultural Sylvio Monteiro, reuniu cerca de 130 pessoas, representantes de movimentos gays e afins de toda a Baixada, além de autoridades do município e do estado, como o prefeito Lindberg Farias, que abriu a conferência, reafirmando o compromisso da Prefeitura de apoiar a luta da comunidade GLBT em Nova Iguaçu.

“A Conferência superou nossas expectativas. Tivemos uma discussão muito aprofundada e saímos com propostas concretas como a criação da coordenadoria de assuntos ligados a GLBT no âmbito da Secretaria Municipal de Saúde”, disse Eugênio Ibiapino, técnico da Secretaria de Valorização da Vida e Prevenção da Violência.

Segundo Eugênio, o secretário de Saúde, Henrique Jonhson, que também esteve presente à conferência, vai marcar um café da manhã comunitário com as lideranças do movimento GLBT na Baixada a fim de deliberar sobre a criação dessa coordenadoria. “Isso representará um grande avanço para o público homossexual, freqüentemente vítima de preconceito e maus-tratos nos postos de saúde”, disse Eugênio Ibiapino.

Centro de Refência contra a Homofobia

A avaliação que o secretário adjunto de Prevenção da Violência, Alan Bronz, fez do encontro também foi muito positiva. “A conferência mostrou como Nova Iguaçu está amadurecida na discussão da temática GLBT e abriu um canal direto de diálogo entre os movimentos sociais e o governo, como nunca se viu antes”.

Também estiveram presentes o vereador e presidente do PT de Nova Iguaçu, Carlos Ferreira, o secretário municipal de Articulaçao Politica, Claudio Jorge, o secretário de Juventude, Anderson Avila, e a secretária de Educação, Marli de Freitas.

Do governo do Estado, a Conferência contou com as participações da secretária de Ação Social e Direitos Humanos, Benedita da Silva, e do presidente da Conferência Estadual para GLBT e superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos da Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, Cláudio Nascimento.

“Tenho certeza de que Nova Iguaçu se tornará um ponto de referência para a implantação de políticas públicas contra todo e qualquer tipo de discriminação”, afirmou Benedita da Silva.

Tanto ela quanto Nascimento reforçaram a importância da criação dos Centros de Referência contra a Homofobia no Estado do Rio. O primeiro deles, a ser instalado ainda neste primeiro semestre, será em Nova Iguaçu.

Outra propaganda legal

Filed under: Arquivos,Dnsk — conferenciaglbtba @ 4:36 am
Tags:

Estava passeando pelo blog Teknão, quando achei essas propagandas legais. Vale a pena dar uma espiada. 😉

Propaganda “gay friendly”

Filed under: Arquivos,Dnsk — conferenciaglbtba @ 4:24 am
Tags: , ,

A nova campanha da Nebacetim está um arraso!! A propaganda mostra famílias nada tradicionais falando da pomada e para que a utilizam. Confira!

abril 8, 2008

Filed under: Arquivos,Dnsk — conferenciaglbtba @ 11:00 pm
Tags: , ,

Exposição fotográfica mostra a transformação das travestis

Filed under: Dnsk,Texto — conferenciaglbtba @ 10:14 pm
Tags:

Divulgação

Detalhes como a meia de arrastão na montagem do visual

A TARDE On Line

Do redesenho das roupas à maquiagem, o processo de transformação das travestis sensibilizou a estilista Carol Barreto e virou registro fotográfico na exposição TRANS; registros de um redesenho mútuo, que pode ser conferida a partir desta quinta-feira, dia 03 de abril, até o dia 30, na Galeria Jayme Fygura, no Teatro Gamboa Nova.

No trabalho, resultado do mestrado da estilista, oito travestis apresentam seus próprios trajes utilizados no cotidiano e em ocasiões especiais. Para compreender as nuances do grupo, Carol Barreto freqüentou durante um ano as reuniões da Associação das Travestis de Salvador (ATRAS).

A mostra é composta de vinte fotografias. Entre elas, da travesti Tâmara, que foi assassinada em fevereiro deste ano, em Mar Grande. As imagens complementam a dissertação de mestrado Moda, expressão sexual, redesenho da aparência do grupo de travestis de Salvador, que está vinculada ao Programa de Pós-Graduação Desenho, Cultura e Interatividade da Universidade Estadual de Feira de Santana (UESC).

Serviço:

O quê: Exposição fotográfica TRANS; registros de um redesenho mútuo
Onde: Galeria Jayme Fygura, Teatro Gamboa Nova
Quando: de 03 a 30/04, de quinta a sábado, das 19h às 21h e aos domingos, das 16h às 19h
Quanto: Entrada gratuita
Informações: (71) 3329-2418

Para descontrair – Betina Botox

Filed under: Arquivos,Dnsk — conferenciaglbtba @ 5:10 pm
Tags: , , ,

Ficha de Inscrição

Filed under: Arquivos,Dnsk — conferenciaglbtba @ 3:17 pm
Tags: , ,

Clique no link abaixo para fazer o download da ficha de Inscrição da I Conferência Estadual GLBT da Bahia

Ficha de Inscrição

45% são contra a união civil de homossexuais

Filed under: Dnsk,Texto — conferenciaglbtba @ 3:10 pm
Tags: ,

Folha de S. Paulo
Domingo, 06 de abril de 2008

DA REPORTAGEM LOCAL

A união civil de pessoas do mesmo sexo tem a oposição de 45% dos brasileiros, segundo o Datafolha. Declaram-se a favor 39% e 14% dizem ser indiferentes. Não é possível comparar com pesquisas anteriores porque é a primeira vez que o Datafolha faz esse levantamento.
As mulheres se dividem: 42% são a favor à união e 41% contra. Entre os homens, 49% são contrários e 36% favoráveis.
Entre os mais jovens (16 a 24 anos), 53% são favoráveis; a partir dos 60 anos, 62% contra.
O apoio à legalização sobe conforme a escolaridade aumenta: entre os que só têm o ensino fundamental, 51% são contra e 32% a favor; entre quem tem ensino superior, 51% a favor e 34% contra.
Norte e Centro-Oeste destoam: 52% são contra. Em São Paulo, 43% a favor e 40% contra. No Rio, é semelhante: 43% a favor e 41% contra.

ASSASSINATO HOMOSSEXUAIS NO BRASIL: 2007 – Relatório anual do Grupo Gay da Bahia

Filed under: Dnsk,Texto — conferenciaglbtba @ 2:36 pm
Tags: , ,

122 homossexuais e travestis foram assassinados no Brasil em 2007, um a cada três dias. Aumento de 30% em relação ao ano anterior. 70% gays, 27% travestis, 3% lésbicas. No Brasil, o risco de uma travesti ser assassinada é 259 vezes maior do que um gay. Bahia é pela primeira vez o estado mais violento, 18 assassinatos e o Nordeste a região mais perigosa: um gay nordestino corre 84% mais risco de ser assassinado do que no Sul e Sudeste. Maioria das vítimas tem entre 20-40 anos. Predominam entre as vítimas, as travestis profissionais do sexo, professores, cabeleireiros, ambulantes. Gays são assassinados sobretudo dentro de casa, a facadas ou estrangulados, enquanto travestis são executadas na rua, a tiros, cada vez mais atacados por motoqueiros. Quanto aos assassinos, 80% são desconhecidos e 65% são menores de 21 anos.O Brasil é o campeão mundial de crimes homofóbicos, com mais de 100 homicídios por ano, seguido do México com 35 e Estados Unidos com 25. O Grupo Gay da Bahia disponibiliza o manual “Gay vivo não dorme com o inimigo” como estratégia para erradicar os crimes homofóbicos.

Em 2007 foram assassinados 122 homossexuais no Brasil, 30% a mais do que no ano anterior. Um assassinato a cada três dias. O número verdadeiro deve ser muito maior, pois além de faltar informações sobre 4 Estados: Rio Grande do Sul, Amapá, Rondônia e Roraima, tais dados baseiam-se em notícias de jornal e internet, já que não existem estatísticas governamentais contra crimes de ódio no Brasil. Tal Relatório, embora certamente incompleto e lacunoso, é o principal documento mundial sobre crimes homofóbicos, seus dados são citados tanto pela Secretaria Nacional de Direitos Humanos quanto pelo Departamento de Estados dos EUA.

O Relatório Anual é realizado desde 1980 pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), entidade de utilidade pública municipal e estadual, a mais antiga ONG de defesa de direitos humanos dos homossexuais na América Latina.

De 1963 a 2007 foram documentados 2802 assassinatos de gays, travestis e lésbicas no Brasil, concentrando- se 18% na década de 80, 45% nos anos 90 e 35% (972 casos) a partir de 2000. Somente nos três primeiros meses de 2008 já foram registrados 45 homicídios de gays no país. “Este ano a violência homofóbica está ainda mais preocupante, informa o Prof.Luiz Mott, responsável pela coleta de dados: enquanto nos Estados Unidos são mortos 25 gays por ano, 35 no México, no Brasil anualmente são assassinados mais de uma centena! Um verdadeiro HOMOCAUSTO!”

Apesar da crescente maior visibilidade e atuação do Movimento Homossexual Brasileiro, e do governo Lula ter instituído o Programa Brasil Sem Homofobia, a violência anti-homossexual vem crescendo nos últimos anos, sobretudo no Nordeste: enquanto na última década Pernambuco foi sempre o estado onde mais homossexuais foram assassinados, pela primeira vez a Bahia ocupa o primeiro lugar desta mortandade, com 18 execuções, Pernambuco 17, Rio Grande do Norte 9 e Alagoas 8 homicídios.

Confirma-se o Nordeste como a região mais homofóbica do país, com 60% dos homicídios, seguido do Centro/Oeste, com 17%, Sul-Sudeste com 16% e Norte, 7% das mortes contra GLTB. O risco de um homossexual do Nordeste ser a próxima vítima é 84% mais elevado do que no sul-sudeste!

Em termos relativos, os estados mais ameaçadores são Rio Grande do Norte e Alagoas, ambos com pouco mais de 3 milhões de habitantes, ostentando respectivamente 9 e 8 assassinatos, enquanto S.Paulo com população de 40 milhões, teve número inferior de mortes, 7 homicídios. O Maranhão, com população quase sete vezes inferior à “paulicéia desvairada”, teve o mesmo número de gays assassinados.

Em 2007, 70% das vítimas eram gays, 27% travestis e transexuais e 3% lésbicas. Proporcionalmente, as “trans” representam a categoria mais vulnerável, pois enquanto os gays e lésbicas devem representar mais de 20 milhões de brasileiros, as transexuais e travestis, segundo cálculos de suas próprias associações, representam por volta de 20-30 mil indivíduos, o que vale dizer que as travestis correm 259 vezes mais risco de ser morrer vítima de uma arma de fogo do que os gays.

As lésbicas, como nos anos anteriores, raramente ultrapassam 3% das vítimas: embora outras pesquisas revelem que as “entendidas” sofram maior violência física e constrangimento moral dentro de casa, são muitíssimo menos assassinadas que os homens gays e travestis.

Quando a idade das vítimas, o mais jovem foi um gay de Salvador, estudante de 14 anos, sendo que 13% os GLBT tinham menos de 21 ao ser assassinados. 54% dos mortos estavam na flor da idade, entre 21-40, e 33% tinham mais de 41 anos. O mais idoso, foi um médico homossexual de 70.

Entre as vítimas há gays pertencentes a todos os setores profissionais, predominando professores, estudantes, vendedores, cozinheiros, pais de santo, cabeleireiros, enfermeiros e profissionais liberais. 73% das travestis eram profissionais do sexo a categoria ocupacional mais vulnerável a estes crimes de ódio. Tal predominância se explica devido à prática da prostituição nas ruas e estradas, zonas muito freqüentadas por marginais, daí as travestis serem predominantemente assassinadas a tiro (40%) em espaços públicos, enquanto os gays são executados dentre de casa, a facadas (31%), ou vítimas de estrangulamento, pancadas, pauladas, asfixia. Requintes de crueldade e tortura prévia fazem parte da maioria dos crimes contra homossexuais, incluindo execuções por afogamento, garrafada, degolamento, introdução de objetos no ânus, esquartejamento. Um gay de Caxias, no Maranhão, foi executado com 26 facadas!
Quanto aos assassinos, choca o fato de que 80% destes crimes tem “autor desconhecido” , ou por terem sido praticados altas horas da noite, em locais ermos, ou pela omissão das testemunhas, que devido ao preconceito anti-homossexual, não querem se envolver com vítimas tão desprezíveis. Também chocante é predominância de assassinos adolescentes: 65% dos homicidas de gays e travestis tinham menos de 21 anos, o mais jovem apenas com 13 anos, geralmente agindo em grupo. Dos 20% de criminosos identificados, menos de 10% chegam a ser detidos e julgados, e mesmos estes, alegando legítima defesa da honra, são beneficiados com penas leves ou injustamente absolvidos. Entre os assassinos de GLTB em 2007 predominaram os garotos de programa, vigilantes, pedreiros. 44% destes criminosos usaram moto para atirar nas vítimas.

Para o Presidente do GGB, Marcelo Cerqueira, “há três soluções imediatas contra os crimes homofóbicos: ensinar à população, sobretudo aos jovens, a respeitar os direitos humanos dos homossexuais; exigir que a Polícia e Justiça punam com toda severidade a homofobia e sobretudo, que os próprios gays e travestis evitem situações de risco, não levando desconhecidos para casa, evitando transar com marginais, denunciando e gritando quando ameaçados.” O GGB disponibiliza em seu site [www.ggb.org.br] o texto “GAY VIVO NÃO DORME COM O INIMIGO”, ensinando como evitar ser a próxima vítima.

Maiores informações: [71] 3328.3782 9989.4748

LUIZ MOTT

1ª CONFERENCIA GAY DA BAHIA

Filed under: Dnsk,Texto — conferenciaglbtba @ 12:47 pm
Tags:

Jornal A TARDE, 5-4-2008, Opinião.

Luiz Mott*

Quem não se comunica, se estrumbica, dizia o inesquecível comunicador Chacrinha (+1988). E para me fazer compreender por milhares de leitores e pela maioria dos brasileiros que entendem “gay” como termo genérico que inclui todo mundo que não é heterossexual, evitei propositadamente o título modernoso “Conferência GLBT”. Esta sopa de letrinhas, GLBT, para os muitos que não entendem seu significado, identifica Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Optando pelo genérico GAY, sigo a mesma lógica do Movimento Negro, que com apenas uma palavra, “negro”, ou duas no máximo, “afro-descendente” , unificou meia centena de autodefinições cromático-raciais, rejeitando termos antigos como moreno, mulato, chocolate, etc. Esta minha opção unificadora certamente provocará ira por parte de alguns “militantes gltb”, mas entre o politicamente correto e incompreensível, e a vox populi, fico com o povão.

Nos próximos 24, 25 e 26 de abril realiza-se em Salvador, no Instituto Anízio Teixeira (Avenida Paralela), a “I ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE GLBT”, convocada por decreto do Governador Jaques Wagner, em consonância com o Decreto do Presidente Lula, determinando que em todas unidades da federação fossem realizadas conferências estaduais preparatórias, com eleição de delegados, com vistas à participação, em Brasília da 1ª Conferencia Nacional GLBT, com data prevista para 6 a 8 de junho próximo. Tais conferencias, com participação de 60% de representantes da sociedade civil e 40% de órgãos governamentais, visam discutir e propor políticas governamentais a fim de promover a cidadania plena dos homossexuais e transgêneros. Seguem a mesma sistemática das demais conferências nacionais de negros, idosos, mulheres, da saúde, etc. É a sociedade civil discutindo e colaborando com o governo municipal, estadual e federal, no planejamento e execução de ações afirmativas para os segmentos que mais sofrem com a apartação social e econômica.

E quando se fala em discriminação e falta de cidadania, verdade seja dita, os homossexuais sofrem muito mais que qualquer outra minoria social, já que a “homofobia” começa dentro de casa, praticado inclusive pelos entes mais queridos. Quem nunca ouviu um pai ou mãe dizer: “prefiro um filho ladrão, do que homossexual”? ! Discriminação que ceifa a vida, todos os anos, a mais de uma centena de travestis e gays, fazendo do Brasil o campeão mundial de homicídios homofóbicos. Só nestes três primeiros meses de 2008 já foram notificados 43 “homocídios”, uma execução a cada dois dias, seis na Bahia!

O Grupo Gay da Bahia, com seus 28 anos na frente da luta contra homofobia, tudo fará para que as deliberações das conferências estadual e nacional GLBT sejam rigorosamente cumpridas pelo Governo, erradicando de nosso querido Brasil o cancro do racismo anti-homossexual. Afinal, Bahia tem de rimar com alegria, e não com homofobia!

*Professor Titular de Antropologia da UFBa e fundador do GGB – Grupo Gay da Bahia

Territorial Ilhéus

Filed under: Arquivos,Dnsk — conferenciaglbtba @ 4:09 am
Tags:

Com fotos no Instituto Cervantes, a Boneca Sai da Caixa

Filed under: Dnsk,Texto — conferenciaglbtba @ 12:50 am
Tags:

Por Marccelus Bragg.
Ecos da última Parada Gay da Bahia ainda são ouvidos em Salvador. De boca em boca circulou que algumas das “extravagantes drags” foram retratadas e que arrasariam em exposição na Ladeira da Barra. Tudo verdade. E se jogou “ de onde Judas perdeu as botas que é a longícua Itacaranhazinha” a Drag Meggy, que ao saltar do “tumbeiro” que faz a linha subúrbio – centro da cidade foi logo dizendo “devagar mona, não quero chegar lá toda suada!”. E ao se deparar, diante da sua enorme foto, toda tratada e de uma qualidade invejável a bicha quase teve um catiripapo. “Eu tô linda não tô?. Já para o mais cortejado confeccionador das Faixas de Misses, o costureiro Carlos Lima o famoso “Mago das Faixas”: “ E não é que a minha fantasia de baiana chamou a atenção, aqui nesta foto e agora num recinto espanhol estou me sentindo a própria Rainha Sofia, é mole?”. Pois é, essa é mais uma das felicidades cidadãs que o Instituto Cervantes da Bahia tem proporcionado às ditas minorias marginalizadas. Não basta apenas servir à um país, a Espanha, onde as garantias de direitos individuais é uma busca constante, há que se fazer algo na prática, e o Instituto Cervantes em Salvador abriu as portas do seu aconchegante Centro Cultural para brindar estudantes, curiosos, travestis, transexuais, transformistas, autoridades consulares, intelectuais, cinéfilos, etc. com uma mensagem libertária estampada nas paredes brancas. São as imagens festivas, mas impactantes no tema, na intenção e pela óbvia aceitação das diferenças como uma essência democrática de convivência, Foram mostradas as fotos de algumas Drags, travestis e transformistas que brilharam no último pride baiano.
Estas dezenas de fotos dizem muito. Para o decano do Movimento Homossexual Brasileiro, o Comendador da Ordem Cruzeiro do Sul, por FHC e do Mérito Cultural, pelo Governo Lula, mais “Notório Saber em Homossexualidade” pelo Ministério de Estado da Cultura, o prof. Dr. Luiz Mott “ com relação aos Gays, os LGBTs, o exemplo saudável da Espanha para todo o mundo é inequívoco. Esta política de enfrentamento à setores reacionários realizada pelo Ministro Zapateiro, facultando o Casamento Gay, e tantas outras pendências sociais que a Igreja Católica diz Não, mas que o espanhol consciênte diz Sim, só nos orgulha e nos mantém confiantes em dias melhores e esta exposição é composta por uma matéria prima humana que o Grupo Gay da Bahia, nos seus 27 anos de existência incentivou à sair às ruas e à mostrar à cara, desde o primeiro 28 de Junho – Dia do Orgulho Gay em 1984, quando comemorávamos a data dando voltas no Forte de São Marcelo, aos dias de hoje, com meio meio milhão de pessoas nesta capital prestigiando a festa da diversidade, a verdade maior venceu, queiram ou não, os oprimidos sexuais estão aí e se recusam à abaixar a cabeça. Opressão jamais, parabéns ao Instituto Cervantes e ao povo espanhol por essa emblemática mostra.”
Para o prof. José Mamede, Coordenador do Laboratório Fotográfico da Facom/UFBA “este ano a nossa intenção é que existam pelo menos dois stúdios fotográficos à disposição dos nossos alunos e no acesso fácil do circuíto da Parada Gay.” E pelo Teatro Castro Alves, o diretor Moacir Gramacho foi taxativo “ a concentração da Parada acontece às portas do TCA, assim sendo, a continuidade desta experiência com a FACOM/UFBA será providencial, tentaremos ampliar e dar melhores condições de acessabilidade aos Stúdios, e mais uma vez, o vão livre do TCA estará completamente disponível à essa iniciativa acadêmica.” Na opinião do prof. Maurício Tavares da FACOM “ as fotos estão com excelente qualidade e o fundo infinito leva à reflexão sobre o tema principal das imagens que é a ambiguidade e a diversidade nas expressões sexuais” .
A exposição Boneca sai da Caixa , tem a curadoria do fotógrafo e coordenador do Labfoto/FACOM professor José Mamede. E segundo o material de divulgação, não surgiu sob um olhar sensacionalista, embora fique difícil não enxergar o exagero de cores e de fantasias em alguns retratados, mas sim com o objetivo de buscar na sua execução uma maneira de fomentar na sociedade a discussão sobre a diversidade de gêneros e de sexualidades. E acima de tudo, vitrinizar ainda mais a variedade cultural baiana, através da apresentação de imagens produzidas durante o evento da VI Parada Gay da Bahia, que intuímos, pelo menos nos últimos dois anos, tem tido maior participação popular do que certas datas tradicionais como a Independência do Brasil e da Bahia comemoradas em Salvador, só perdendo para o Carnaval.. Para viabilizar o trabalho, um estúdio fotográfico foi montado na concentração da parada, bem no vão livre do Teatro Castro Alves e aquele local foi o palco para a captação das imagens com os diversos atores da festa, buscando a maior variedade possível de tipos presentes.
A inauguração da exposição acompanha a abertura da mostra de cinema “Possíveis sexualidades” , que acontece entre os dias 03 a 10 de Abril no mesmo local, Instituto Cervantes.
ASSISTA AO VIDEO DA MOSTRA “BONECA SAI DA CAIXA”. CLIQUE NO LINK ABAIXO E ESPERE CARREGAR;
Serviço:
O quê: Exposição Fotográfica “Boneca sai da Caixa”.
Onde: Instituto Cervantes – Ladeira da Barra, 230 Salvador/BA.
Quando: 03 a 30 de abril.
(Inauguração às 18 horas; diariamente das 8 às 19 horas).
Quanto: Grátis.
Realização: Laboratório de fotografia da Facom – UFBA
Site: http://www.labfoto. ufba.br/
Telefone: Tel: (71) 3283-6185

Lei do Dia Municipal de Combate a Homofobia entra em pauta Em Lauro de Freitas

Filed under: Dnsk,Texto — conferenciaglbtba @ 12:45 am
Tags: , ,
Nesta terça, 07/04, na Câmara Municipal de Lauro de Freitas-Bahia será lido na plenaria o Projeto de Lei que Institui o Dia Municipal de Combate a Homofobia a ser comemorado anualmente no dia 17 de maio. O PL é de autoria do Vereador Lula Maciel (PT-BA), que colocou em sua pauta depois da solicitação do Grupo Gay de Lauro de Freitas.
Segundo o Presidente do Grupo Gay de Lauro de Freitas, Franklin Silva, as expectativas de aprovação relativamente rápida deste projeto são grandes, pois o projeto de lei tem por objetivo a promoção do direito à livre orientação sexual. “Com a instituição do Dia Municipal Contra a Homofobia verifica-se a incentivação de ações que proporcionam a discussão sobre o direito à livre orientação sexual, bem como a visibilidade de gays, lésbicas e travestis e transexuais. Ações salutares considerando o atual quadro de violência e discriminação contra gays, lésbicas, travestis e transexuais”, afirma Franklin.

Castro Alves realiza Conferência Gay no último domingo

Filed under: Dnsk,Texto — conferenciaglbtba @ 12:41 am
Tags:

*Redação do Site do GGB

SALVADOR, BA, 7/04/08 – O município de Castro Alves, cerca de 150 km partindo de Salvador pela BR 324, domingo 6 de abril foi palco da I Conferência Territorial dos Direitos dos Gays, Lésbicas, Bissexuais e Travestis. O evento teve a finalidade de preparar os homossexuais do Recôncavo e Vale do Jiquiríçá para a I Conferencia Gay que acontece em Salvador nas instalações do Instituto Anísio Teixeira ainda neste mês de abril.

Cerca de oitenta pessoas de várias orientações sexuais participaram do evento que teve inicio às 10hs no Colégio Polivalente de Castro Alves, terminando suas atividades às 17hs com apresentação da FANCEP, Fanfarra local. Em se tratando de um evento do gênero, imagina-se que o Colégio Poli foi uma animação só, e foi mesmo. A voz mecânica da baiana Maria Bethânia bradava inspirando artistas de última hora exercer sua veia artista.

A cerimônia de abertura contou com a execução do hino nacional, seguido da composição da mesa de boas vindas com a presença de líderes homossexuais, representante do governo municipal, Secretaria de Cidadania, Justiça e Direitos Humanos e um representante do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores.

Após a leitura do regimento interno da Conferência os homossexuais e simpatizantes se dividiram nos grupos de trabalhos e seguiram até o inicio da tarde com uma pausa para o almoço que foi servido pela organização local. Temas como saúde, direitos, legislação e acesso a cultura foram amplamente debatidos pelos membros dos grupos. As propostas retiradas foram lidas e aprovadas na plenária. A exceção veio para uma proposta que indicava a criação de banheiro especial para travestis e transexuais, recusada pela plenária por entender que esse espaço deve ser compartilhado com as mulheres. “As travestis e transexuais não oferecem nenhum risco as mulheres. Elas entram no box se fecham e pronto” disse uma das outra militante local. O evento teve a entusiástica participação de Waldir Jubiabá, presidente do Grupo Gay de Castro Alves, Cavalheiros de Shangrila com apoio e participação de Claudia Café membro da Comissão Estadual da I Conferência.

abril 5, 2008

Todos(as) à Conferência Estadual de GLBT da Bahia

Filed under: Dnsk,Texto — conferenciaglbtba @ 12:36 am
Tags:

Wesley Francisco da Silva*

Teve início na semana passada, em Juazeiro, o processo das Conferências Territoriais de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais do estado da Bahia, com a etapa territorial de “Itaparica e Sertão do Velho Chico”. Nesse fim-de-semana outras três conferências serão realizadas: dia 05 em Camaçari (Região Metropolitana) e Feira de Santana (Portal do Sertão) e no dia 06 em Castro Alves (Recôncavo). As treze etapas restantes serão na semana que vem.

Em âmbito nacional a Conferência da Bahia surpreendeu ao instituir as etapas territoriais, adaptando-as aos territórios de identidade e ao processo de conferências já adotado pelo governo do estado. A Bahia tornou-se então o estado com maior número de conferências, o que significa, na prática, aquele que mais pode mobilizar os GLBT nas bases. Maiores possibilidades significam maiores responsabilidades, como diria o Professor Luis Mott.

No entanto a Conferência Territorial de Itaparica e Sertão do Velho Chico, em Juazeiro, exitosa porque conseguiu mobilizar importantes setores do poder público regional, além de proporcionar boa visibilidade do evento na mídia local e estadual, mostrou-nos que os GLBT, público-alvo principal da conferência, eram minoria frente aos heterossexuais em plenário. Isso pode ser um sintoma que leva-nos a refletir sobre como esta iniciativa pioneira terá reflexo para o movimento GLBT, para o governo e para a sociedade.

O movimento vê-se diante da superação de sua atuação e alcance, ao mesmo tempo que pode descobrir os limites do seu discurso e do diálogo com os demais GLBT. Sua organização, participação e ativismo são colocados em xeque, quando defrontados com as realidades dos territórios. O governo será chamado a dar respostas aos GLBT participantes das conferências e garantir o suporte de sustentação das políticas públicas aprovadas. A sociedade civil espera representatividade no evento e proposições de alcance de todos(as), sem distinções.

Vale ressaltar que estamos diante de uma conferência de Estado. A convocação nacional foi feita pelo presidente Lula. Jaques Wagner logo compreendeu a importância do evento e a Bahia tornou-se o quarto a decretar convocada a Conferência. Coube à Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos do estado a abrigar a conferência e realizá-la. A sociedade civil compõe, paritariamente, a COE – Comissão Organizadora Estadual, junto às secretarias de governo.

O mais importante disso tudo é que pela primeira vez o debate sobre os GLBT, sobre os direitos humanos, sobre a urgência de medidas de combate à homofobia, e principalmente, sobre a necessidade de políticas públicas para os GLBT tornou-se pauta de Estado. A idéia de reunir esse segmento em processos de conferência, além do ineditismo, traz consigo a possibilidade real de propor medidas que assegurem direitos à população GLBT, bem como dar um passo à frente no sentido de garantir o bem-estar dessa parcela da população. Esperamos que esse processo não se finde após as conferências.

Então vamos participar! Todos(as) à Conferência Estadual de GLBT da Bahia!

*Historiador. Coordenação do Setorial Estadual de GLBT do PT-BA; militante do Kiu! – Coletivo Universitário pela Diversidade Sexual; membro da COE – Comissão Organizadora Estadual da I Conferência de GLBT da Bahia, pela sociedade civil.

Programação da Territorial RMS

Filed under: Dnsk,Texto — conferenciaglbtba @ 12:19 am
Tags: , , ,

CONFERÊNCIA TERRITORIAL GLBTT REGIÃO METROPOLITANA

LOCAL: CIDADE DO SABER

DIA: 05 de Abril de 2008

HORÁRIO: 8:00H

PROGRAMAÇÃO:

CREDENCIAMENTO: 8 HORAS

ABERTURA: 8:30

PALESTRA MAGNA: 9: HORAS

CONFERENCISTA: KEILA SIMPSON

Presidente da ANTRA – Articulação Nacional das Travestis e Transexuais

LEITURA DO REGIMENTO: 9:40

GRUPOS TEMÁTICOS: 10:00 ÁS 13:00

I – LEGISLAÇÃO E JUSTIÇA

1. Augusto de Paula – Advogado da Prefeitura Municipal de Camaçari

2. Ségio Paiva –

3. Diana Souza

II – CULTURA

1. Alex Simões –

2. Ivanildo Antônio – Ex. Secretário de Cultura do Município de Camaçari

3. Liane

III – POLÍTICA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO:

1. Negra Cris

2. Valdeci Nascimento

3. Renildo Barbosa

IV – SAÚDE:

1. Efigênia – Secretaria de Saúde de Camaçari

2. Eduardo Queiroz – coordenação da conferencia estadual

3. Paulo Paixão – Gerente de Livre Orientação Sexual da Secretaria de Assistência Social e Presidente do GRUPO GAY de Camaçari

4. Quezia Lucena – Coletivo MARIAS

V – SEGURANÇA:

1. Tenente Érica

2. Coronel Castro

3. Fabiana Franco – Coletivo MARIAS

PLENÁRIA: 14:00

ELEIÇÃO DE DELEGADOS: 16 HORAS

ENCERAMENTO: 17 HORAS

abril 2, 2008

Territorial RMS

Filed under: Arquivos,Dnsk — conferenciaglbtba @ 7:38 pm
Tags: , ,

Vale conferir…

Filed under: Dnsk,Texto — conferenciaglbtba @ 2:11 pm
Tags: ,

01/04/08

Mostra traz para Salvador filmes e atividades ligadas à temática GLBTT

Lucas Cunha, do A Tarde On Line

Veja também:

Exposição, debates e lançamento de livro estão na programação
Programação completa da 1ª mostra Possíveis Sexualidades
Sinopses e informações sobre os 12 filmes em exibição
Lista de cinco filmes sobre o tema pelo curador da mostra, Rodrigo Barreto, no Cineinblog

A partir de amanhã, até o próximo dia 11, mais uma maratona de cinema acontece em Salvador com a mostra Possíveis Sexualidades. A proposta, nesta primeira edição, é apresentar filmes ligados à temática GLBTT (Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais).

Entre os destaques aparecem produções inéditas na Bahia, como o premiado filme argentino “XXY” (vencedor da semana da crítica em Cannes) e o brasileiro “Por Onde Andará Dulce Veiga?”, adaptação do livro do escritor Caio Fernando Abreu.

“Podemos dizer que é uma mostra assumida”, brinca o curador, Rodrigo Barreto, sobre os temas dos 12 filmes que ganham exibição no Instituto Cervantes, Sala Walter da Silveira e salas de Arte-Cinema do Museu e Cinema da Ufba. Segundo ele, a opção pela temática GLBTT foi um recorte ocasional, que não fecha o leque de opções para a diversidade temática de futuras edições.

Diferente – “É importante que seja assim neste momento. Mas não queremos ser um mini Mix Brasil (famoso festival com o tema GLBTT). As próximas edições podem abordar a sexualidade feminina ou de adolescentes, por exemplo”. Barreto diz que a melhor definição da mostra é sua idéia de lidar com o diferente, seja no aspecto sexual ou cinematográfico. “Independente do recorte, é muito pouco provável ter um filme que trate de uma história clássica hollywoodiana. Terá de ser sempre algo com novas possibilidades”, afirma.

Não por acaso, um dos filmes que ganham exibição é o espanhol “Diferente”, produção de 1962 do cineasta, morto em 2007, Luís Maria Delgado, realizado em pleno governo do general Franco. “Não há menção à palavra homossexual no filme. O diretor explora o assunto através de coisas subentendidas. Os filmes exibidos na mostra evoluem até tratar o tema com naturalidade, desde o familiar ao transgressor”.

A mostra traça praticamente um panorama da exploração da temática GLBTT no cinema espanhol. Dos anos 70, aparece o documentário “Ocaña, Retrat intermitent”, sobre um conhecido pintor espanhol homossexual , além do drama “Los Praceres Ocultos”, apontado como o primeiro longa abertamente gay do período pós-Franco.

Dos anos 80 vem “A Lei do Desejo”, de Pedro Almodóvar, com Antonio Bandeiras e Carmen Maura no elenco. Das produções mais recentes, ganha exibição “Filhote” (2004), do diretor espanhol Miguel Albadalejo, filme sobre um homossexual que tem de mudar seu dia-a-dia para tomar conta de um sobrinho de 10 anos. Completam a lista “Krampack” (2000) e “Sévigné”(2004), sobre relacionamentos gays e lésbicos, respectivamente.

Dos brasileiros, quatro produções fazem parte da programação do festival. Três são documentários, com temas ligados ao cotidiano dos travestis (o baiano “Bombadeira”, de Luis Carlos de Alencar), dos transexuais (“Uma Questão de Gênero”, de Rodrigo Najar) e das lésbicas (“Sim, Eu Sou Uma Delas”, curta baiano de Carolina Mendonça e Eduardo Scaldaferri). A única ficção é “Por Onde Andará Dulce Veiga?”, de Guilherme de Almeida Prado, diretor de “A Dama do Cine Shangai” (1987).

Serviço:
O quê: 1ª edição da Mostra Possíveis Sexualidades
Quando: de 3 a 11 de abril.
Onde: Instituto Cervantes (abertura no dia 3, às 19h e até o dia 10 sessão diária às 16h), Cinema da Ufba (do dia 4 ao dia 10, sessão diária às 18h30), Cinema do Museu (do dia 4 ao dia 10, sessão diária às 20h30) e Sala Walter da Silveira (apenas no dia 11, com sessões às 15h e 17h30).
Valor: R$ 4 (Sessões dos cinemas da Ufba e do Museu); Entrada franca (Instituto Cervantes e Sala Walter da Silveira).
Informações: 3797-4662 – http://possiveissexualidades.wordpress.com/

« Página anteriorPróxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.